• Marcio Funchal

Preços Mundiais dos Produtos Florestais Estão em Queda

Coluna mensal elaborada à pedido da Revista O Papel/ABTCP - Coluna Gestão e Estratégia - Edição de Abril de 2021.


Com a economia mundial mostrando sinais um tanto contraditórios em diferentes segmentos, o que temos de mais concreto no momento é um ciclo de preços elevados em algumas commodities. Com os principais líderes do comércio internacional vivenciando diferentes estágios de luta contra a pandemia da COVID-19, não se tem claramente um cenário da tendência dos preços de produtos para os próximos anos.


Apesar disso, é muito relevante acompanhar a trajetória dos preços médios mundiais nos últimos anos. Fazendo um apanhado dos principais produtos florestais transacionados ao redor do mundo, está disponível nas Figuras a seguir a evolução dos preços médios mundiais dos últimos 20 anos (em termos nominais em Dólar). Para incrementar a análise, as mesmas Figuras mostram também a evolução da produção mundial de cada produto selecionado.


De imediato, a conclusão mais alarmante é de que os preços médios internacionais dos produtos florestais estão caindo gradativamente, quando comparados a um patamar de preços entre 6 e 11 anos atrás.


As Figuras 1 e 2 mostram o comportamento do mercado de Painéis de Madeira. Nos painéis de Madeira Sólida (compensado, chapa dura, EGP e outros), a produção dobrou nos últimos 20 anos, mas o preço cresceu apenas 31% no mesmo período. O ano de 2014 representa o pico de preços para este produto. De lá prá cá, a produção mundial cresceu pouco menos de 5% (cerca de 1% a.a.). Já os preços encolheram quase 20% (redução de 2,9% a.a.).


No caso dos painéis de fibra de madeira (MDF, MDP, HDF e outros), o aumento da produção desde o ano 2000 foi de 250% e os preços apenas 52%. Mais uma vez 2014 representa o pico de preços para este produto. Desde então a produção mundial aumenta à taxa de 0,5% a.a. (acumulado de 2,9%) e os preços caem numa média anual de 3,9% (mais de 21% entre 2014 e 2020).

A Figura 3 mostra a característica da produção e preços do mercado de cavaco e demais partículas de madeira. Entre 2000 e 2020, o crescimento da produção e preços foi de 54% e 49%, respectivamente. O auge de preços médios mundiais se deu em 2008. Desde então, a produção mundial aumentou apenas 11% (aproximadamente 0,9% a.a.), e os preços caíram 6,3% (taxa de - 0,5% a.a.), mesmo com retorno do crescimento a partir de 2016/2017, ponto com menor patamar de preços desde 2008. No mercado de pellets (Figura 4), a produção mundial praticamente dobrou nos últimos 20 anos, enquanto os preços médios mundiais caíram 11%. A maior alta de preços se deu em 2014. A partir daí, a produção aumentou cerca de 50% (em torno de 7% a.a.), enquanto os preços recuaram mais de 15% (média de - 2,7% a.a.).

A atual produção mundial de madeira serrada (Figura 5 - tábuas, vigas, mourões, pranchas, pisos, componentes de móveis, blocks, blanks e etc.) é quase 30% maior do que era no ano 2000, apesar da grande retração ocorrida no ano 2009 (crise econômica mundial). No tocante aos preços, o crescimento acumulado desde o ano 2000 para este tipo de produto é de apenas 10%. O maior patamar de preços se deu em 2014. De lá pra cá, a redução foi de mais de 21% (média da ordem de - 3,9% a.a.), na contramão do crescimento da produção da ordem de 14% (cerca de 2,3% a.a.).


A Figura 6 mostra que o preço médio internacional da celulose (considerando todos os tipos de fibras, naturais ou recicladas, e todos os mercados finais) cresceu apenas 8% entre 2000 e 2020, embora a produção mundial tenha crescido em torno de 13%. O maior patamar de preços ocorreu em 2011. A partir deste ano, a produção mundial tem crescido a uma taxa pouco maior a 1% a.a. (quase 11% no acumulado), simultaneamente a um crescimento negativo de preços de aproximadamente 2,2% a.a. (cerca de - 18% no período).

O comportamento do mercado mundial de papel e papelão está demonstrado na Figura 7. A produção mundial aumentou 25% e os preços 20% nos últimos 20 anos. O maior patamar de preços ocorreu em 2011. A partir deste ano, os preços médios apresentam contração anual de 1,8% (cerca de 15% entre 2011 e 2020), com crescimento da produção muito pequeno (pouco maior a 1% em termos acumulados).


Já o mercado de embalagens de papel e papelão pode ser visto na Figura 8. A produção mundial atual é 61% superior à registrada no ano 2000. Já os preços médios mundiais atuais são apenas 26% maiores do que em 2000. Considerando o recorte de 2011 (pico de preços para este grupo de produtos), temos um crescimento médio da produção de 1,6% a.a. (pouco mais de 15% em termos acumulados), paralelo a um crescimento negativo de preços de 2,4% a.a. (próximo a 20% entre 2011 e 2020).


Coluna mensal elaborada à pedido da Revista O Papel/ABTCP - Coluna Gestão e Estratégia - Edição de Abril de 2021.